Querido amigo, siga

Quem vê de longe não sabe a dor que um homem pode carregar no coração, meu amigo, sei que esses dias não têm sido fáceis para você e para a sua família, também sei que palavras nunca são suficientes para retirar de nós certas dores. Mas mesmo assim gostaria de te dizer algumas palavras nesta carta, e espero fervorosamente que leia, e se for preciso leia novamente. Minha vontade era dizê-las olhando nos olhos, mais como a distancia não nos permite, vou dizer por aqui, mais não esqueça que em meus olhos tenho um olhar de quem te ama, e que a pesar da distancia, te tenho por amigo,: – Caro amigo, nós homens erramos, todos nós, mas não erramos quando erramos, erramos de verdade quando não superamos o erro e não admitimos o direito de errar, porque quando erramos, somos quem somos, mas quando não admitimos o direito de recomeçar roubamos de nós o ser que Deus quer que sejamos, e o mais engraçado disso tudo é que nós homens não sabemos perdoar aos outros, que dirá a nós mesmos, e muitos de nós olhamos para quem erra com o olhar que olhamos para nós mesmos, mas esse olhar nunca é e nunca será o olhar de Deus, mais te pergunto: vale a pena se deixar levar por esse olhar? Vale a pena se penitenciar por esse olhar? Vale a pena deixar o futuro ser conduzido por esse olhar? Posso dar o direito deste olhar me tornar quem eu resolvo ser? Olha sinceramente NÃO, o olhar que permito me conduzir, deve ser sempre o olhar de Deus, que não nos mede, não nos tem ou se relaciona conosco pelo o que somos ou fazemos ou o que a Ele podemos oferecer; um olhar que reflete em nós seu próprio brilho de amor, perdão e misericórdia; um olhar que quando foca em nosso futuro não se importa com nosso passado, mais sim se ilumina pelas decisões que tomamos hoje, e sempre hoje; sei que as vezes nos perdemos em nós mesmos, e pior que isso, nos prendemos aos nossos próprios erros, e quando o fazemos, nos sentimos indignos de prosseguir, mas se algum homem na terra se sentir indigno de prosseguir, e ser aquilo para o qual nasceu para ser, por causa de um erro seu, eu também o sou, o sou porque também sou pecador, o sou porque por mais que me veja “digno”, nunca o serei o suficiente para ser aquilo que nasci para ser, por que se alguma esperança há, ela há em Deus e nunca em mim, finalizo essa carta te dizendo algo, para mim e para nosso Pai, você é o que é em Deus, e nunca será diferente por algo que tenha feito, ou por uma pedra na qual tenha tropeçado, não se veja com seus próprios olhos e tão pouco com os olhos daqueles que te cercam, se veja com os olhos de Deus, e siga, siga porque pior do que o erro de ter parado é a decisão de parado ficar, siga amigo, siga em passos leves e devagar, mas siga, siga com a dor do ontem, mais siga, siga não pela obrigação de seguir mais pelo direito que a cruz te dá de seguir, siga não com suas próprias forças, por que elas serão fracas em si mesma, mas siga com a força do evangelho da graça que é a graça de poder seguir, siga por que as vezes erramos porque seguimos, e quando seguimos podemos errar, mais nunca erramos porque decidimos seguir, e nesta caminhada olhe para o lado que estarei seguindo também, na certeza de que o caminho não é para aqueles que nunca erraram, mais sim para aqueles a quem Deus deu o privilégio de caminhar, e quando chegarmos ao fim desta estrada teremos sempre a certeza de que o que fazemos não pode ser maior do que aquele que somos naquele que nos chamou , siga na certeza que no fim da estrada Ele sempre estará de braços abertos a nos esperar, caro amigo deixo aqui meu abraço carinhoso e um ombro amigo, mas maior tristeza do que saber da sua dor de hoje, será se souber que amanhã você optou por nela ficar, siga amigo, siga.

Pr Claudio Romero